sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Baruk - Meu gatinho marrento





Este foi o nome que escolhi para o meu primeiro gatinho.
Baruk, significa “Abençoado” em árabe.


Com este bichano fiz tudo errado. Por isso que hoje dou conselhos sobre gatinhos.

Num dia chuvoso – em maio de 2000 - quando se comemorava o “Dia das Mães”, acordamos com um miado insistente embaixo de nossa janela, levantamos, e, ainda sonados e aturdidos, olhamos pela janela e vimos “aquele projeto de gato”, magrinho, miudinho e com uma carinha de desprotegido, dentre tantas janelas, olhando, diretamente, para a nossa. Trocamos olhares e, curiosamente, sem trocar palavra que fosse, descemos para busca-lo. Entretanto, como se houvesse uma “combinação implícita”, tínhamos - tão somente - a intenção de abriga-lo - durante a chuva e o frio - e, alimenta-lo, em seguida devolvendo-lhe à natureza. Pois bem, o bichano, tratou de fazer “todas as gracinhas” que comovem e conquistam qualquer ser sensível e simpático a animais, sobretudo, domésticos, foi aí que, sem perceber, nos vimos apegados ao “vira-lata” mais charmoso...que conheci. E, em alguns dias, o clima se firmou e - muito contrariadamente, mas, por não haver condições de mantermos um animal, devido ao nosso ritmo cotidiano e de morarmos em apto - descemos com o gatinho, que, literalmente, deu um show de carinho e apego por nós. Moral da história: Hoje, em 14/04/2002, BARUK, do árabe “abençoado”, principalmente, por termos nos esforçado em adequa-lo ao nosso cotidiano - completa dois anos.


Assim Baruk fez dois anos.



Baruk com dois anos
Olhem a grossura da pata dele...


Daí, depois disso, ele ficava cada vez mais egoísta, temperamental,... E eu me perguntava o porque disso. E de tanto pensar no assunto, cheguei a seguinte conclusão:

Um gatinho (como um cachorrinho ou outro animal qualquer) precisa de companhia para brincar. O fato dele ser “filho único” e estar sendo mimado, fez com que as suas vontades tinham de ser satisfeitas.

A esta altura ele estava com cinco anos. E cada vez mais temperamental.
Decidiu que tinha que ir na rua e tentou pular do segundo andar. Então, abri a porta e deixei ele ir dar uma volta. Não imaginam o que aconteceu, ele voltou escalando a janela até o segundo andar.

E assim, passou a sair e voltar pela janela do apartamento, e ai de quem o impedisse.

Num belo dia voltou com a cabeça machucada (ele não era castrado, naquela época eu não tinha a menor consciência da necessidade de castra-lo), e parecia uma casa de abelha no buraco da cabeça, então o levei ao veterinário, que me falou que eram “vermes” por ter pousado mosca. Nossaaaa, sedou ele, e começou a tirar os bichos da cabeça com uma pinça. Depois que tirou tudo, me disse que não podia pousar mosca de novo. Então eu falei que ele saia e que eu não conseguia impedir. Então a veterinária encheu o buraco com pomada. Bem, dias depois já havia fechado. Graças a Deus.

Numa outra vez, ele veio arrebentado e um lado da cara estava inchado e levei ao veterinário, e, mais uma vez o veterinário me falou que eu devia castra-lo (e eu não concordava, temia que ele apanhasse se fosse castrado), e, constatando uma infecção, resolveu opera-lo. Nossaaa, foi muito difícil para fechar o buraco, porque era num local que não podia dar pontos. Enfim, consegui fechar depois de muito tempo, colocando várias coisas que me ensinavam, com o spray “Unguento Plus”. Santo remédio.

Eu percebia que a qualquer momento o Baruk ia embora. Passava dias fora de casa (no apartamento).

Daí, peguei a Babi (em 2005) para passar uns dias aqui em casa (e ficou até hoje com seus cinco filhos – estava prenhe). Ela teve filhotes, eles cresceram e Baruk continuou radical, porém, ficou mais calmo. Olhem a foto abaixo.

Baruk e Lipe na cadeira dormindo



Em 2005, mudei de residência, saí de apartamento e fui morar em casa. Daí os filhotes de Babi, incluindo esta aí da foto acima (Lipe), barravam Baruk no portão, não deixando ele entrar. E eu estava dormindo e não via isso (uma vizinha me contou). E eu achando que Baruk não gostou da casa e por isso sumiu.

Quando ele vinha e eu estava por perto, o chamava e ia fazer carinho e ele respondia com agressividade. E eu a princípio achei que era ciúmes dos gatinhos. Mas, de fato eu não merecia a forma como ele me tratava, pois que sempre o mimei. E percebi que havia criado um monstro, mas mesmo assim eu o amava como a um filho.

Enfim, aos poucos ele foi vindo com mais intervalos até que sumiu de vez.

Hoje em 2012, se ele não foi pego por ninguém, o que eu acho difícil, pois ele era brabo, ele está com 12 anos. Mas, particularmente, acredito que ele esteja morto. Pois não me tem mais para leva-lo ao veterinário.

Sinto saudades dele, mas “entrego a Deus”.

Olha a cara dele como era larga.
Ele era um gato muito grande e forte.
Ele era respeitado pelos gatos da vizinhança.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sejam Felizes

Além das historinhas de meus próprios gatinhos, espero que gostem das informações que coloquei. Estou certa que conhecerão muito mais sobre os gatos. São informações muito úteis sobre eles. Inclusive dicas de livros sobre gatos. Postei aqui cerca de 600 Gifs animados de gatinhos, mais de 500 gatinhos estáticos, pinturas de gatinhos,DESENHOS para pintar de gatinhos (Para Crianças), miniaturas, alphas (alfabetos), tags, natalinos, barrinhas, fundo de email, gatos mágicos e muito mais; TUDO referente a nossos amados bichanos. Então, é só aproveitar e sair baixando tudo que interessar. Com Amor e Carinho. ♥♥♥Martha Cibelli♥♥♥

Precisamos de MIL assinaturas

Seguidores

Labels

Follow by Email

Mais vistas

 

GatoMania Templates Ipietoon Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)